Estruturas de Aço - Light Steel Framing

July 23, 2018

O sistema construtivo conhecido como Light Steel Framing (LSF), está extremamente inserido no contexto atual da construção civil, visto a necessidade de modelos construtivos rápidos e baratos - para atender a demanda populacional -, e ecológicos - para evitar impactos negativos ao meio ambiente. Esse modelo funciona através do encaixe de perfis de aço que formam a estrutura de sustentação de uma edificação.

 

Apesar de no Brasil ainda ser considerado uma inovação, a origem dessa técnica remonta ao início do século XIX, quando os Estados Unidos necessitavam atender ao aumento da demanda por novas edificações. Como a tecnologia da época era bastante simplória, fez-se uso dos recursos naturais, desenvolvendo-se; portanto, o Wood Framing (wood, madeira; framing, esqueleto ou estrutura). Esse sistema construtivo consistia em desenvolver os elementos estruturais das edificações a partir de cortes de madeira, com baixo custo, simplicidade e velocidade. Em seguida, o Steel Frame foi apresentado pela primeira na Feira da Construção de Chicago, por volta de 1933, como uma alternativa ao Wood Frame.

 

O sistema Light Steel Framing ou simplesmente Steel Framing (light steel, aço leve; framing, estrutura) é formado por perfis de aço revestidos por uma camada de zinco ou de liga alumínio-zinco (aço galvanizado). Esse revestimento se faz necessário pois o aço puro não resiste tão bem à corrosão quanto o zinco. Assim, os perfis são pré-fabricados por fornecedores e posteriormente unidos aos elementos de estrutura, acabamento ou fechamento, seguindo o mesmo conceito estrutural do Wood Framing.

 

Desse modo, o LSF proporciona uma construção rápida, limpa e organizada, como diz o engenheiro da Brasgips (empresa que atua no ramo há vinte anos), Josélio Rodrigues Junior: a redução do prazo da obra é de 50% se comparado ao modelo convencional, e o custo da construção cai de 25 a 30%. Além disso, pelo fato de o LSF ser formado por peças pré-fabricadas, é altíssima a precisão da execução e do orçamento, gerando menos entulho.

 

Ao que tange o assunto da construção propriamente dita, as fundações mais executadas são do tipo rasas, como sapatas corridas e o radier. Ambos tipos de fundações funcionam como uma laje situada sob o solo a fim de homogeneizar os esforços verticais das estruturas para o solo. Os perfis de aço são então fixados nas fundações, e passam a ser fixados entre si, formando a parte estrutural da edificação.

 

Como os perfis são abertos, as instalações elétricas e hidráulicas são feitas nos vãos das placas, para em seguida serem preenchidas com material de vedação, como lâminas cimentícias ou gesso acartonado. A maioria das paredes LSF são ocas, sustentando os requisitos térmicos e acústicos apenas com o colchão de ar formado entre os perfis de aço e as chapas de fechamento. No entanto, é possível instalar mantas com características térmicas e acústicas como a lã de rocha, a lã de vidro ou a lã de pet.

 

Infelizmente, o LSF não é amplamente aplicado no Brasil. Acredita-se que somente 3% das edificações no território nacional são do tipo Steel Frame. Comparando com outros países: na década de 90, 25% das novas construções norte-americanas eram feitas com esse modelo construtivo e 35% das construções de 2009 no Chile foram feitas no estilo LSF.

 

Esse contraste se deve ao fato de que a construção civil no Brasil ainda é muito enraizada nas obras feitas com concreto. Desse modo, há pouca mão de obra especializada no tipo LSF e também há pouco conhecimento da sociedade sobre a existência de formas alternativas de engenharia. Assim, obras de estrutura metálica são destinadas a empreendimentos comerciais, que necessitam de rápida construção para acelerar a maturação de novos pontos de venda. Exemplos de empreendimentos comerciais são os postos de gasolina da franquia Ipiranga e as novas hamburguerias do Mc Donald’s.

 

Com os argumentos anteriormente ditos, fica claro o atraso do nosso país quanto à execução de novas técnicas construtivas. Tal estagnação do Brasil frente às inovações impedem que o país se desenvolva contornando problemas habitacionais mais rapidamente. Assim, o sistema construtivo do LSF, ou então das casas container (assunto também abordado em outro texto no blog deste site) poderiam ser base para a construção rápida e ecológica de habitações populares como as de “Minha casa, Minha Vida”, por exemplo.

 

referência: https://www.pexels.com/@pixabay

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

June 18, 2019

May 14, 2019

April 25, 2019

April 18, 2019

February 21, 2019

February 6, 2019

Please reload

Leia também

CONTATO

Av. Osvaldo Aranha, 99
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

ejeciv@ejeciv.com.br

Tel/Whatsapp: (51) 98446-5417

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • YouTube - Black Circle